MEUS INCENTIVADORES- GOSTARAM E FICARAM!!

segunda-feira, outubro 31, 2011

Por entre os caminhos meus...

Ando por minhas estradas.
Sonho muitos sonhos...
Idealizo alguns planos...
Dou de mim coisas boas
as vezes nem tão boas assim...
Mas me esforço, e este é o fim.
Faço do tempo meu aliado
Do meu sorriso, um companheiro
Dos meus gestos, um abraço
Do meu olhar, um espelho.
E vou andando...
por muitos cantos
vários caminhos...
Tentando melhorar o meu pior
Forçando vir à tona o que há de bom
Me superando a cada curva
cada desvio desta estrada,
a cada pedra, a cada espinho.
E vou seguindo...
Movimentos lentos mas passos firmes.
Sem ansiedade, sem pressa.
Pés no chão, coração aberto.
Acreditando sempre
Tudo vai dar certo!... Tudo vai dar certo!


Elzinha Coelho

Hoje é Aniversário de Drummond


(...) Pois de tudo fica um pouco.
Fica um pouco de teu queixo
no queixo de tua filha.
De teu áspero silêncio
um pouco ficou, um pouco
nos muros zangados,
nas folhas, mudas, que sobem.
Ficou um pouco de tudo
no pires de porcelana,
dragão partido, flor branca,
ficou um pouco
de ruga na vossa testa,
retrato.
(...) E de tudo fica um pouco.
Oh abre os vidros de loção
e abafa
o insuportável mau cheiro da memória.
(Resíduo)

Nascimento:
31/10/1902
Natural:
Itabira - MG

Morte:
17/08/1987

domingo, outubro 30, 2011

Sem mais nada a dizer.


Eu quero ser a alegria
Numa pontinha qualquer do teu dia
Num pensamento fugaz e inesperado
Que te pegue de surpresa
Completamente despreparado
Numa breve nostalgia tua
Te causando estranheza
De se ver vítima, de se ver presa
Deste confuso sentimento...
Se dando conta finalmente
Que EU era o AMOR sem correntes

E nesta pontinha de pensamento
Te bata no peito o remorso
Na alma o arrependimento
Do que poderia ter sido para sempre
e não foi nem por um momento!


Elzinha Coelho

Os meus pés no chão!

Nos espaços incautos do meu caminho
Traço o meu traço.
Ponto a ponto
Passo a passo...
Numa cadência leve
Sem perder o compasso
dos meus pés descalços
tocando a terra fria.
Sonhar trás alento
mas o real me contagia
Pouco a pouco
Dia a dia
Vou construindo laços...
Desconstruindo fantasias...


Elzinha Coelho

sábado, outubro 29, 2011

Eu sou Feliz!

Me dê licença mas tenho que dizer: EU SOU FELIZ! Aos trancos, tropeços e barrancos, eu sou sim. Isso para alguns soa meio que pejorativo, outros até torcem o nariz, mas quando você diz  EU SOU TRISTE, ninguém se incomoda (triste realidade). Ser feliz é opção, assim como é opção ser triste. Ser feliz não é ter um sorriso estampado na cara vinte e quatro horas; nem é se abster de momentos de melancolia; nem mesmo é deixar de conjugar verbos como: decepcionar, chorar, morrer. Ser feliz é estar em paz consigo e com o outro. É aceitar, é se dispor, é acreditar, é ser acessível, é tolerar, apaziguar. Ser feliz é amar sem condições ou restrições.  Ser feliz é perceber que não te resta nenhuma outra alternativa melhor, e se você quer o melhor, fica fácil decidir. 

Elzinha Coelho

Seja apenas Verdade!


Não é preciso mostrar beleza aos cegos, nem dizer verdade aos surdos; Basta não mentir para quem te escuta nem decepcionar os olhos de quem te vê!

quarta-feira, outubro 26, 2011

Dor e Saudade

Que sentimentos são esses?
Que se instalam sem pedir licença.
Que se ajeitam, se encaixam.
Que não dá para jogar fora,
Que ficam, que são
Sem nenhuma pressa de irem embora.
Que machucam sem piedade
Invadem o peito, invadem a alma
Criam laços, tropeços, embaraços.
Que sentimentos são esses
Que controle não existe?
Que nos faz pequenos, que nos faz tristes.
Náufragos de nós mesmos
Neste mar de ironias, de ilusões, de fantasias...
Andam sempre de mãos dadas, mãos entrelaçadas
Abraçando nossa agonia!


Elzinha Coelho

Eu quis





"Eu quis tanto ser a tua paz, quis tanto que você fosse o meu encontro. Quis tanto dar, tanto receber. Quis precisar, sem exigências. E sem solicitações, aceitar o que me era dado. Sem ir além, compreende? Não queria pedir mais do que você tinha, assim como eu não daria mais do que dispunha, por limitação humana. Mas o que tinha, era seu. "

C.F.A.

Amor Próprio.


UMA PITADA DE AMOR PRÓPRIO E SEU CORAÇÃO VAI ESTAR NAS SUAS MÃOS...



Beth Valentim
http://bethvalentimcoisademulher.blogspot.com

Para ser feliz de novo


"Gaste seu amor. Usufrua-o até o fim. Enfrente os bons e os maus momentos, passe por tudo que tiver que passar, não se economize. Sinta todos os sabores que o amor tem, desde o adocicado do início até o amargo do fim, mas não saia da história na metade. Amores precisam dar a volta ao redor de si mesmo, fechando o próprio ciclo. Isso é que libera a gente para ser feliz de novo."

Sobre a Liberdade.



"Impor limites não é uma estratégia, não é uma falta de liberdade, é uma libertação
É preciso se conhecer muito e ter muita sensibilidade e respeito por si e pelo outro para ter a sinceridade de dizer: comigo você só poderá chegar até aqui. Porque o meu limite acaba sendo o de alguém também.
É como um aviso: se você tentar ir além, vai invadir, estragar, tentar corromper e eu não quero, não deixo. É pedir pro outro que desenvolva certa sensibilidade.
Não há mal nenhum em saber dizer que a gente só pode, por enquanto, ir até aquele determinado ponto. Isso é de um profundo respeito por todo mundo. Quem sabe impor limites aprendeu a dizer um não sincero, em vez de dizer sim e fugir depois agoniado deixando alguém num deserto de dúvidas sobre o que possa ter acontecido. Quem aprendeu a impor limites, aprendeu também a não se magoar com os nãos sinceros que recebeu, mas a agradecê-los.
Quem acha que ser livre é não ter limites, acaba sendo escravo de um comportamento, de um vício, de uma alegria, de uma convicção, de um relacionamento que não se pontua nunca. Isto é limitador. Ser livre é saber estabelecer limites dentro daquele contexto e ainda assim poder olhar pro mundo e para si próprio com uma visão ilimitada:_o que significa saber que tudo é impermanência: estou e quero algo assim hoje, este é o limite agora, mas tudo é provisório porque eu posso tudo e respeito o Universo que me permeia, e quero estar aberto a todas as outras possibilidades. Quem aprende a impor limites, também aprende a compreender o mundo, as delimitações, as deficiências alheias e as próprias. E quando seria uma situação de mágoa, sabe que por mais que lhe pareça desagradável a atitude do outro, isto deve ser o melhor que ele tenha a oferecer naquele momento, é o seu limite, o que não o reduz a ele... "
*
Marla de Queiroz

Eu não tenho medo, mas há quem tenha!

Eu não tenho medo do amor. Eu tenho medo é de amar quem tem medo dele. Amar quem teme o amor é como se apaixonar por uma sucessão de desistências.

Marla de Queiroz

terça-feira, outubro 25, 2011

As vezes é doído, mas vale a pena!





Criar é uma gestação.
Escrever é um parto!

Elzinha Coelho

Apenas um Motivo

Quero um motivo a mais para ser feliz. Um que me faça sonhar, que me deixe contente. Que me tire do tempo, que dance comigo e me faça sorrir. Nos caminhos leves da vida, me leve...Em outros momentos, apenas me deixe ir. Quero um motivo a mais, que me traga cores, que me traga paz. Um motivo apenas para ser MAIS a cada dia, a cada hora. Sem medo e sem pressa, do acabar, do ir embora!

Elzinha Coelho

Mudar...ainda dá tempo!

O dia amanhecia enfim, trazendo calor, trazendo alegria e só eu que não via??? Que vida tola, vida vazia. O dia lá fora  e eu dentro de mim, enrolada, emaranhada nas minhas próprias dores. E as cores? as flores? Quantas coisas belas para serem vistas, sentidas, tocadas. Que egoísmo o meu!  Que pesadelo este que me envolvia nos novelos de um ego cego, nas confusas idéias de pensamentos obscuros, ilusórios? O tempo é o Pai da sabedoria. E o tempo me abriu os olhos para um novo dia, um dia que amanhece  aqui dentro, que resplandece, aquece e me mostra o quanto sou pequena ainda diante da grande mágica e beleza do meu amanhecer...cada dia é uma sinfonia, tocada, sentida, partilhada com quem compartilha o meu dia a dia...seja de perto, seja de longe...distâncias físicas não cabem aqui!

Elzinha Coelho

segunda-feira, outubro 24, 2011

Desabafo

Na imensidão do espaço que há em mim, quanto de dor e de amor ainda cabem??

Elzinha Coelho

Os telhados da cidade.

Quantos fantasmas, quantas dores, quantos amores, quantas alegrias eles guardam. Quantas cenas poéticas; trágicas; quantas crises humanas, insanas; quantos segredos, quantas bondades, traições, lágrimas, maldades. Quantas saudades, quantas memórias....
Os telhados.....Os telhados....
Cada qual tem sua história!

Elzinha Coelho

domingo, outubro 23, 2011

Refazimento


Nesta vida doida, corrida e agitada tem ocasiões que, o silêncio, o recolhimento, a solidão são necessários. Não há nada que se resolva bem num ambiente tumultuado. Não quer dizer que estejamos tristes, apenas tomando um fôlego para continuar a caminhada. 

Elzinha Coelho

sábado, outubro 22, 2011

Dançando

Deixe tudo como está. Você pra lá e eu pra cá. Na dança da vida, só se dá mal quem não sabe dançar!

Elzinha Coelho

Até poderia...





Poderia ter sido bom, poderia ter sido lindo, poderia ser sido tudo, poderia até ter sido amor...mas não foi e o que foi ...  já passou!

Elzinha Coelho

Tempo.



Tudo que há em mim precisou de certo tempo pra amadurecer. 
A minha fé, as minhas crenças, os meus medos, meus sentimentos, meus ideais e meus sonhos. Nada disso nasceu comigo, ou brotou de uma hora pra outra. Tudo em mim vem sendo gestado e moldado, de acordo com os caminhos que tenho percorrido, as companhias que tenho desfrutado e principalmente as decisões que tenho tomado...!!!

Frases Incríveis - Face

"Por fora Bela Viola...por dentro Pão Bolorento???"

Não me contento com superfícies
Não me iludem nem me atraem
Quero ver o que há no fundo
Quero ver o que há a mais
Pode ser oco, pode ter eco
Não ter nada ou...
 Ter demais...

Elzinha Coelho

sexta-feira, outubro 21, 2011

Estou fora!

Estou saindo fora de tudo o que me incomoda. Pessoas frias, vazias, dissimuladas, mal educadas. Pessoas forçadas nas atitudes, que fingem ser doces quando são rudes. Pessoas essas, que se acham...já estão fora de moda, fora da roda, estão sem espaço. Cada vez mais sós... entre os nós que elas próprias laçam!

Elzinha Coelho

quinta-feira, outubro 20, 2011

Escrever

"Escrever não é desistir de falar, é empurrar o silêncio para fora." 

(Fabrício Carpinejar)

Mudanças.

"As pessoas têm medo das mudanças. Eu tenho medo que as coisas nunca mudem." 


(Chico Buarque)

Do outro lado.



Em processo de decantação, é assim que a nossa alma às vezes amanhece: apartando nossas misturas, nossas iguarias, nossas inusitadas substâncias, essências e especialidades. Como um sonho quando escolhe o seu horizonte, um aperto quando escolhe o seu desfecho. Como quando a gente se escolhe e o agora abre mão do antes de para alcançar o adiante. Então qualquer coisa parece tristeza, parece não querer mais tanto, o tudo. Quando no fundo, tudo é só mais um caminho pouco pisado, pouco refletido.


Mas já se sabe que, separar certos instantes de incertos momentos é a forma mais sábia e sigilosa que a vida tem de nos ensinar a amar certas colheitas, de nos ensinar a não contar nos dedos os minutos que faltam para o próximo abraço, para o próximo desvio, para a próxima esquina, para o próximo suco de esperas. É a forma mais sábia e sigilosa que a vida tem de nos ensinar o que existe do outro lado do funil, de nos ensinar as palavras que ainda nem foram ditas, o afeto que ainda não foi experimentado, a chegada não premeditada. 

Presentear algo ou alguém com uma muda de tempo, com uma muda de recolhimento, nos ensina a presença do outro muito antes da saudade, muito antes da ausência. Não estou falando de demoras nem distâncias. Não estou falando de adeuses em despedidas ou desistências. Estou falando de um saber - se perto ainda que longe, ainda que em silêncio, ainda que desacontecendo por dentro.

Eu estou desaprendendo. Resignada, não aguardo o próximo gole. Só a próxima sede.

Priscila Rôde

Meu diálogo

Hoje acordei com vontade de nada!
Sabe aqueles dias que você fica na cama por horas, sem nenhum objetivo a não ser curtir a indiferença dos teus músculos aos estímulos do cérebro? Pois é, acho que meu cérebro nem estava muito afim de enviar algum comando. Raros dias esses, mas que me acontecem e não é nada ruim. Penso até que seja um diálogo entre eu e o que sou. Hoje nem eu e nem o que sou estávamos afim de coisa alguma ..... e amanhã será outro dia....

Elzinha Coelho

segunda-feira, outubro 17, 2011

Divagando...

Observar o comportamento humano é um jogo extremamente saudável. Não vai aqui nada que se pareça com: julgar, criticar, estereotipar, nada disso. É apenas uma maneira de ver o outro, (sou humana também, claro), de o olhar por outro ângulo, por outra lente. Cada um é um universo embora todos tenham muito em comum na sua essência. Cada ser é especialmente único e ao mesmo tempo global. Trazemos na bagagem nossas experiências, e como lidamos com elas é o que nos diferencia. O mundo seria realmente "humano", com todo sentido que traz essa palavra, se todos olhassem para além, para mais longe, mais fundo, mais dentro de cada um que observamos ou que nos observa. Um olhar com lentes da sabedoria, pelo angulo da compreensão. Um exercício extremamente saudável. Tenta você. Já pensou como seria o mundo todo com este olhar?

Elzinha Coelho

sábado, outubro 15, 2011

E quem é que não quer??

Eu só quero um amor que me surpreenda
Que sutilmente me encante
Que provocadoramente me prenda
Só quero um amor contente
Transparente e delicadamente presente
Um amor que acalme meus sentidos
Que me realinhe, que me dê chão
Quero um amor seguro
Inteiro, intenso e verdadeiro
Eu só quero um amor
E que ele seja assim...
Perdidamente
Sedutor...

Elzinha Coelho

sexta-feira, outubro 14, 2011

Amar


" Amar é deixar o coração falar...a alma...transparecer...
Deixar as emoções do amor fluir...sem perder a doçura...
.....A ternura...o carinho...o calor da paixão...
Amar...é ver as belezas do universo através da alma...
...Do coração...deixar o coração transbordar os sentimentos...
E a alma...explode em festa quando esses sentimentos...
.... Se tornam reais.... e verdadeiros"...♥ ♥ ♥



De: Anabela Proença
Publicado no grupo "A Casa das Palavras"

O amor


O amor é tão mais fatal do que eu havia pensado, o amor é tão mais inerente quanto a própria carência, e nós somos garantidos por uma necessidade que se renovará continuamente. O amor já está, está sempre. Falta apenas o golpe da graça - que se chama paixão.

Clarice Lispector

Desinteressada

Ninguém vive sem alguém que seja especial, ninguém se basta. Viemos do amor e vivemos dele. Nascemos entrelaçados, crescemos assim.... entre laços e abraços...Meu Estado Civil hoje: Desinteressada. Não que seja ruim, por algum tempo até acho necessário um recesso. Só não quero que esse estado se prolongue demais... 

Elzinha Coelho

terça-feira, outubro 11, 2011

Sentir


Ter medo de Intensidades é ter medo da vida. Sentir o que é bom intensamente significa sermos capazes de doer na mesma intensidade, então passamos uma vida amedrontados e mornos. Pode ser que viver assim faça algum bem a alguém, a mim, não mais!
Hoje choro todas as lágrimas acumuladas, guardadas, trancafiadas. Hoje choro por tudo e por quase nada e descobri algo muito simples, que chorar faz bem, que derramar lágrimas de alegria ou de dor é sentir intensamente uma emoção, e é dessa intensidade que é feita a VIDA. É estar com os poros da pele em sintonia com o poros da alma.
Se tiver que ser bom, que seja muito bom. Se tiver que doer, então que doa. Sentir é o que me dá sentido, é o que me dá forma, é o que me dá foco. Sentir é minha bússola, é meu verbo. Sentir sem medos, sem culpas e nem desculpas. Só SENTIR.

Elzinha Coelho

Pablo Neruda


Morre lentamente quem evita uma paixão, quem prefere o negro sobre o branco e os pontos sobre os iss em detrimento de um redemoinho de emoções, justamente as que resgatam o brilho nos olhos, sorrisos dos bocejos, corações aos tropeços e sentimentos.

Pablo Neruda

Vida minha

A estrada em mim e eu dentro dela...

O caminho que percorro, tantos já percorreram
Uns a passos largos, outros nem tão ligeiros.
Retornar só se for para resgatar algum pedaço nosso
que ficou em algum tropeço, perdido em algum destroço
O caminho é de ida.
A estrada é longa, sinuosa
Cheia de sutilezas, de perigos, de surpresas
É meu caminho, minha estrada
Que percorro, que me percorre
Enfim...
Eu dentro dela
E ela em mim!

Elzinha Coelho

domingo, outubro 09, 2011

Por que os homens não se deprimem (uma massagem no EGO de vocês)


Não precisam trocar de sobrenome
A garagem é inteirinha deles
Os preparativos para o casamento são simples
Podem comer chocolate sempre que quiserem
Não engravidam
Os mecânicos não mentem pra eles...
Nunca precisam procurar outro posto de gasolina, para achar um banheiro limpo
Rugas são traços de caráter... (e barriga, de prosperidade??? Rsrsrs)
Ninguém fica encarando os peitos deles quando estão falando
Os sapatos novos não lhes machucam os pés
As conversas ao telefone duram apenas 30 segundos
Para férias de 5 dias, apenas precisam de uma mochila
Podem abrir qualquer tampa de frasco
Se outro aparecer na mesma festa usando uma roupa igual, não ha problema, chegarão a ser amigos
Cera quente não chega nem perto de suas regiões intimas
Ficam assistindo a TV com um amigo, em total silêncio, por muitas horas, sem ter que pensar: Deve estar cansado de mim.
Se alguém se esquece de convidá-los para alguma festa, ainda assim vai continuar sendo seu amigo
Sua roupa intima custa no máximo 40 reais (em pacote de 3)
Três pares de sapatos são mais que suficientes! (verdade?)
São incapazes de perceber que a roupa esta amassada
Seu corte de cabelo pode durar anos, alias, décadas
Uma cor só de sapatos para todas as estações
Podem levantar a perna das calças, sem se preocupar com a aparência das pernas
Podem fazer as unhas, com um "trim"
Podem deixar crescer o bigode, se quiserem
Podem comprar os presentes de Natal para 25 pessoas, no dia 24 de dezembro, em 25 minutos!
Não e a toa que os homens RARAMENTE  ficam deprimidos


(Desconheço o Autor)

sábado, outubro 08, 2011

Nuno de Freitas


"Andamos em voltas sem entendermos o que fazemos. Receamos o sossego da noite quando nos tenta abraçar. Receamos o nada quando muito temos para oferecer. Receamos a nossa alma quando não tem a sua gemea para se sossegar. Receamos o tudo, o passo a espera o desespero e a saudade. E por tanto recearmos, acabamos por nos esconder em nós, receando o amor que nos oferecem, receando que aquele que nos ama, nos destrua como tantos já o fizeram e a assim ficamos nós a recear tudo o que nos rodeia …." 


sexta-feira, outubro 07, 2011

À flor da pele

Por muito tempo acreditei que era forte, apenas forte e que ser forte era ser segura, e ser segura o tempo todo é penoso, mas acreditava nisso. Por muito tempo camuflei sentimentos a ponto de nem saber que existiam. Por tanto tempo me mantive em pé, para que não desmoronasse tudo à minha volta, escondendo sensações, guardando emoções....por muito tempo. Hoje sei que sou forte algumas vezes, frágil em outras e não estou nem aí em mostrar minhas fragilidades. Sei que verdades são relativas, nunca foram absolutas. Que demonstrar afeto não é fraqueza. Que chorar não é vergonha. Que meu amor sendo rejeitado, ele continua sendo amor, mesmo que transformado. Hoje minha sensibilidade é à flor da pele e não escondo isso. Hoje me aceito como sou, um feixe de sentimentos, um buquê de sensações...às vezes calmarias....às vezes furacões!

Elzinha Coelho

quinta-feira, outubro 06, 2011

Florbela Espanca


Sou talvez a visão que alguém sonhou
Alguém que veio ao mundo prá me ver
E que nunca na vida me encontrou

Florbela Espanca


Florbela Espanca, batizada com o nome Flor Bela Lobo, foi uma poetisa portuguesa. Florbela viveu durante trinta e seis anos, transformado seus dilemas de vida em poesias, cheias de erotização e feminilidade. Também foi a grande precursora do movimento feminista em Portugal.

Amar

Amar tem que ser simples, tem que ser fácil...
Ser leve, ser livre,
Ser doce, ser bom.
Amar tem que fazer bem...

Elzinha Coelho


quarta-feira, outubro 05, 2011

Caminhando


“Se afaste do que poderia ter sido e olhe para o que poderá ser.”

O caos de mim

Reina em mim um desassossego
Desses que me faz tremer,
que me dá medo.
Que tira a fome, que tira o sono.
Que me faz sentir a amargura
de um extremo e completo abandono.
Como que por sucção
me remeto para dentro do meu ser.
Só existe eu comigo agora.
O silêncio é frio, ensurdecedoramente frio.
E olho partes de mim
Que não quero conhecer.
Partes de mim 
Que nunca quis ver.
Mas como que hipnotizada, meu olhos não se desviam
Fixos, inertes, contemplam o desalinho.
E me revela, me desnuda.
A dor impera, dilacera, rasga.
Esta sou eu, toda desalinhada?
Com tantos azedumes e fraquezas,
raivas e mágoas represadas?
Esta é você! me ouço dizendo.
E então entendo o que está acontecendo.
E inicio o caminho de volta.
Percebo que amadureci, que cresci.
O lado bonito é muito fácil, é prazeroso.
Mas conhecer somente ele, é inevitavelmente desastroso.

Este caminho, cedo ou tarde
Eu iria percorrer...
Nesta busca incessante
Do meu EU
Do meu SER!

Elzinha Coelho

terça-feira, outubro 04, 2011