O amor

Nenhum amor morre de morte natural
o amor sofre,
e vai terminando de uma forma lenta,
não resiste à indiferença, nem à falta de um abraço
morre sufocado na ausência de um beijo,
e no silêncio de um olhar morno,
o amor morre no esquecimento das palavras
e dos gestos gastos que se afastam,
morre quando o ignoram,
ou simplesmente, quando permitem que morra, porque desistem dele.


MJ

Comentários

  1. Este tipo de amor pode morrer mas fica sempre a saudade e vais remexendo por dentro da alma.

    Existe o outro amor que nos liga e nunca acaba.
    Os nossos laços familiares. Estes ganham raízes tão profundas que só desaparecem quando também nós desaparecemos.

    ResponderExcluir
  2. Meu querido Luis, ontem assisti a uma Palestra que falava exatamente isso. Do amor de almas, de laços antigos, de muitas experiências juntos. E é no núcleo familiar a melhor forma de desenvolver este amor, de trabalhá-lo, lapidá-lo. Este eterniza.
    Obrigada querido pelo carinho e atenção que sempre me proporciona uma sorriso de alegria.
    Boa semana
    Um beijo
    Elzinha

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigada pela visita. Seu comentário é fundamental. Beijos

Postagens mais visitadas deste blog

Escolhas

Hodierno