Não tem como não doer...


Poder ser como a água e contornar
Como o vento e passar
Sem apegos, sem amarras...

Tecer a vida
Como o tempo tece as horas
Sem delongas, sem demoras...

Mas não se é tempo, nem água, nem vento
Somos presas,  pragas, pensamento
Ligeirezas, ilusões, sentimentos

Somos dores, sabores, amores
Somos laços, temores, abraços
Confusas emoções, tênues traços

Sorrisos, perdas, memórias
Lágrimas, sonhos, cansaços
Espaços, lembranças, histórias

Somos o tudo num só momento
O eco, o oco, o profundo
O grito de dor no tormento
E o riso de alívio do mundo!


Elzinha Coelho

Comentários

  1. Uma bela homenagem em poesia.Parabéns.

    ResponderExcluir
  2. Belíssima esta dedicatória, Elzinha.
    Gostei muito.

    Deixo um beijo com carinho.

    Sónia

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Um beijo de carinho também à você,querida Sonia.
      Obrigada pela visita e comentário!

      Excluir
  3. Mmmuuuuiiiitttttooooooo bom. Gostei demais desses versos.

    Um abração.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Antonio, me sinto muito feliz com tuas palavras.

      Abraços grande poeta!!!!

      Excluir
  4. OI ELZINHA!
    TEUS VERSOS SÃO LINDOS TECIDOS COM O QUE TENS DE MELHOR, TEU TALENTO...
    ABRÇS
    http://zilanicelia.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Essa tua primeira estrofe é muito massa. De fazer pensar mesmo. Grande abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fred, que bom te ver aqui. Obrigada pela visita.

      Um beijo

      Excluir
  6. Encantadoras palavras como é hábito. Parabéns por essa delicadeza com as palavras!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigada pela visita. Seu comentário é fundamental. Beijos

Postagens mais visitadas deste blog

Escolhas

Hodierno