MEUS INCENTIVADORES- GOSTARAM E FICARAM!!

terça-feira, fevereiro 28, 2012

Amor... Amar... Amor

O amor que não me cabe, que não se acaba
É o amor por mim e por você
que não tem "se" e nem "por que"
nem hora, nem demora
Amor que está...
que é...
que há...


Elzinha Coelho



segunda-feira, fevereiro 27, 2012

Lavando a Alma



"Cansando do que é transitório, do que não me abastece os sentidos, do que não me preenche os espaços; do que não  reforça meus laços. Cansando dos velhos valores, mofados e aglutinados naquela velha gaveta; das mentiras, das máscaras, de conceitos tanto tempo aceitos. Cansando do que não me agrega sentimentos bons, do que não me faz uma pessoa melhor. Cansando do jogo das aparências, do supérfluo......das evidências!"


Elzinha Coelho

domingo, fevereiro 26, 2012

Sem controle

O que me assombra nos atos teus
não é  a indiferença constrangedora
a tantos apelos meus
Que me ferem com descuido
Sem afeto e sem cuidado


É viver este absurdo
Sem medida e tanto abuso
E por vezes me pergunto
Por que não saio à francesa
deixando você de lado?


Sempre acreditei
Que amor de verdade
Tem que vibrar dos dois lados
Mas se não é amor, o que seria?
Acomodação, falta de rebeldia?


Não há nada que justifique
Uma situação tão desgastante
E por mais que eu não queira
Basta olhar teu sorriso 
e voltar para a brincadeira...


Elzinha Coelho

sábado, fevereiro 25, 2012

Amar fanhado (ver de novo)

Amores que ficam entrelaçando nosso vãos...
Que não se vão, que permanecem, que estão!
Surdos aos nossos nãos...
Amores perdidos pelo caminho em desalinho,
pelos tropeços da alma imatura, insegura..
Amores que poderiam ter sido... ou ido...
sadios... sãos...
Se tornam mãos a apertar o pulso
impedem o impulso
tiram o soro do olhar
deixam o cheiro do fracasso 
o gosto acre na boca
a sede, a cabeça oca
a alma amassada, amarrotada
sem ter para onde ir!
sem ter onde ficar!
Doce martírio...
Amarga comédia...
De quem viveu o suficiente
Para olhar de longe... quanta tragédia!!

Elzinha Coelho

Vendo de novo...

Nos espaços incautos do meu caminho
Traço o meu traço.
Ponto a ponto
Passo a passo...
Numa cadência leve
Sem perder o compasso
dos meus pés descalços
tocando a terra fria.
Sonhar trás alento
mas o real me contagia.
Pouco a pouco
Dia a dia
Vou construindo laços...
Desconstruindo fantasias...

Elzinha Coelho

terça-feira, fevereiro 21, 2012

Só você

Tanta gente faz oque você faz
Bebem para esquecer
Mentem para viver
Choram sem querer
Fingem não sentir
Falam sem pensar
Brigam sem ouvir
Juram amor quando o amor nem existe
Tanta gente faz oque você faz
Mas é só você
Quem me deixa triste...


Elzinha Coelho

domingo, fevereiro 19, 2012

Carnaval


É carnaval!!!!
e cada um à sua maneira
se diverte nesta brincadeira
da alegria com a ilusão
que pode ser doce, ser rica
ou não...

Elzinha Coelho


sábado, fevereiro 18, 2012

Vento do Tempo


O que ficou por dizer
perdeu-se no vento...
O que era bom não existe
findou-se no tempo...

Os dias de cores
hoje tão tristes...
mansamente fluíram...
lentamente escaparam...
para sempre sumiram...

no balanço perfeito
do silêncio do tempo
levando no vento
o meu pensamento...


Elzinha Coelho


terça-feira, fevereiro 14, 2012

Falando sério

Gosto do Sim e do Não ditos com todas as letras, em linha reta, sem curvas ou desvios, não sei ser diferente. Faça oque quiser, mas não me vire as costas. Me chateie, me critique, brigue comigo, fale o que pensa ou até o que não pensa, mas não me ignore. Não finja que não existo. Pode ser que amanhã, eu nem me lembre do que disse, mas vou me lembrar do barulho. Silêncio é como o escuro; é frio e sem norte. Me dê o rumo, mesmo que seja o da porta, não importa... só não me vire as costas. 

Elzinha Coelho

segunda-feira, fevereiro 13, 2012

Até...

Até que alguém chegue
que algo aconteça
que se sinta a ausência
que se tenha vontade
que se mate a saudade
Até que alguém se apaixone
que nunca abandone
que não aprisione
nem tenha maldade
Até que não se canse
Até que não se perca
Até que não se mate
Até a próxima dança...


Quem sonha, espera... 
É no "até" que reside a esperança!


Elzinha Coelho




sábado, fevereiro 11, 2012

Tormento do Poeta

Tem vezes que a gente tenta
Calar a dor, a gente tenta
Matar a flor, a gente tenta
Trancar o amor,  a gente tenta
A gente tenta... e tenta
Então tudo excede, transborda e aí...
A gente inventa!


Quando não se cabe
Quando não se aguenta...
A fria tinta toma forma
Transcende em versos e transforma 
O invisível, o divisível, o ausente
Em coração, mão e mente...


Elzinha Coelho

sexta-feira, fevereiro 10, 2012

Entrelaçados

Ninguém vive sem alguém que seja especial, ninguém se basta... viemos do amor e vivemos dele. Nascemos entrelaçados, crescemos assim... entre laços e abraços...

Elzinha Coelho

terça-feira, fevereiro 07, 2012

Jogo sem graça

Gosta de um amor complicado? Quanto mais difícil, melhor................. o resultado? Não se engane com quem te retêm e te repele, num jogo egoísta de sim e não; num vai e vem caprichoso; num quero e não quero dengoso. Não se iluda com quem te ignora na rua e depois te sorri sob a lua. Não há nada mais desgastante do que investir em algo assim, que é qualquer coisa, menos amor. Aliás, amor passa bem longe deste tipo de relação, pois nem o próprio se mantem.

Elzinha Coelho

domingo, fevereiro 05, 2012

Falso disfarce

Não há nada que diga ou que faça
Que disfarça em mim essa farsa
O sorriso estampado na face
E a alma gritando aos pedaços


E cada movimento que faço
Um gesto, um pedido, um abraço
Não passa de uma louca agonia
De viver melhor cada passo


Mas continua a dor sem alento
Trazendo consigo os momentos
Mantidos vívidos, claros, 
Nas doces mãos do pensamento...


Elzinha Coelho

quarta-feira, fevereiro 01, 2012

Esperança é a primeira que ocorre...



E seja lá qual for o meu destino
Que ele me reserve alegrias
mansidão, cores e flores...
Um pouquinho de solidão...
Uma pitada de desalinhos...
Um quase nada de dessabores...
E um bom bocado de carinhos...


Elzinha Coelho