Sem Medo (Relendo)


No abandono dos meus apegos
Nas horas mornas do sossego
Encontro enfim o fim do medo


E nas pausas mansas do dia
Em que me entrego sem agonia
À construção de um pensamento


Encontro sempre e por inteiro
A real essência, e o que espero
Do que fui, sou e quero...

Mesmo que o que creio, assim
Seja verdade só para mim
Pouco importa o que pensam
Sou eu, é verdadeiro e fim!

Elzinha Coelho 

Postagens mais visitadas deste blog

Escolhas

Hodierno

Poesia? (Repostando)