MEUS INCENTIVADORES- GOSTARAM E FICARAM!!

quarta-feira, setembro 28, 2016

É tempo de viver sem medo - Eduardo Galeano



Eduardo Hughes Galeano foi um jornalista e escritor uruguaio. É autor de mais de quarenta livros, entre os que mais gosto "AS VEIAS ABERTAS DA AMÉRICA LATINA"(1971) que já foram traduzidos em diversos idiomas. Suas obras transcendem gêneros ortodoxos, combinando ficção, jornalismo, análise política e História.

Bagagem






Essa  mania de guardar coisas nos armários e gavetas, na garganta e coração. Esse jeito sempre torto de acreditar que, algum dia vai se usar, que em algum momento fará falta. Esse costume todo errado de achar que de uma hora para outra, o ruim se transforme em algo bom de se engolir.
Caminho como os que caminham acreditando que, o que se foi perdeu o sentido, perdeu a hora, perdeu o trem. Não guardo nada nas gavetas, nos armários, na garganta, no coração que não seja o que me foi leve, o que me fez livre mesmo tendo sido breve, o que me manteve serena em meio a uma tempestade. Não guardo nada que não me dê saudade.

Elzinha Coelho








quarta-feira, setembro 21, 2016

Sinto muito, todos sentem


Esta historia de sentir é o que define essa tal de vida. Já nascemos sentindo, chorando ou sorrindo. Crescemos sentindo, dor, amor, frio ou calor. E tantos outros sentidos, alguns até indefinidos, mas não há quem não os tenha. Está na pele, no pelo, no gesto, no zelo. Há sentidos para todos os gostos, de todos os tamanhos e intensidades, até na maldade.  A comunicação depende dele, as vezes cola, as vezes não. Pode se encaixar ou ser um desastre, mas o sentido está sempre a acompanhar esse tal de ser humano que mal sabe caminhar com as próprias pernas, mas sabe ter sentidos, e dá-los às todo fato. Quem é que não se sente um expert nalguma área, que bem provável, nem entenda muito, mas está lá, defendendo com suas garras. E a bendita vida é assim, até as vezes sem muito sentido, mas nunca sem nenhum. Eu mesma me sinto tudo, me sinta todas, me sinto tantas, sentindo tudo em quase nada e quase nada em outros tantos.
Elzinha Coelho