MEUS INCENTIVADORES- GOSTARAM E FICARAM!!

terça-feira, dezembro 29, 2015

Trilho Frio


Qual é a função tua na minha vida?
Qual a minha na tua?
Verdade crua que nua
Não me aquece

Saber que para tudo existe a prece
Que me entontece quando
Emudecida a boca não crê
O que o olho não vê

E de brutalidades encharco o peito
E esbarro em mim, tropeço em fendas
Das feridas abertas que pedem urgências
Nos desatinos, nas evidências

E cega e surda a boca cala
Mente oque a mente diz e não fala
Como a seguir entre as ruínas
Que o coração prega, prende e embala

Trilho frio que me percorre há séculos
Na busca insana de qualquer sentido
Na vida, na morte
No canto, na sorte

Qual a função tua na minha
Qual a minha na tua
VIDA?

Elzinha Coelho




segunda-feira, dezembro 21, 2015

Intuição



O que se pode dizer ao coração, que depois de tantos nãos se descobre que estava certo? Ali bem perto dos ouvidos, da boca e das mãos e o coração estava certo e nós surdos aos seus nãos! Mãos que tem poder de afastar, boca que sabe calar e ouvidos....ah! os ouvidos, os da alma que sem calma não os deixamos escutar. Quantas vezes ainda nos afastaremos de toda nossa verdade? Que mania é essa de nos achar com poderes de mudar alguma coisa fora de nós? Ainda procuro o que me afasta de mim. Ainda insisto num misto de febre e de dor, sem medo ou pudor, o que me afasta de mim. E o tal coração avisa. Ah! avisa. Incansavelmente... pulsando... pulsando...e pulsando! 

Elzinha Coelho

E assim é...




Você sempre vai estar onde  se colocar!!!!
Não se importe com opiniões alheias, não se incomode com falsidades, desconsiderações, maldades, nada disso é problema seu. Vá em frente, siga a sua verdade, faça a sua parte nessa "engenhoca" que é a VIDA. Faça bem feito. Faça direito. O que é do bem, atrai o bem. Pro resto.............paciência e amém!

Elzinha Coelho

domingo, dezembro 20, 2015

Viver com uma pessoa vazia também conta como solidão


Há vários tipos de solidão. O mais apreciado é aquele que permite o encontro com nós mesmos e o autoconhecimento.Entretanto, existe uma outra solidão que é muito destrutiva e perigosa. É aquela que sentimos quando compartilhamos nosso tempo e nossa vida com pessoas que são muito importantes para nós, e que estão completamente vazias.
Dizem que o mundo está cheio de pessoas de corpo vazio e almas ocas, que se alimentam dos sentimentos dos outros para se sentirem úteis e importantes.São importantes porque as escolhemos livremente, projetamos nelas nossas emoções e sentimentos, até que percebemos que nos causam dor e sofrimento.
Compreender esse processo através do qual nos apaixonamos por uma pessoa vazia é muito complexo. Muitas vezes, dentro do nosso convívio social, temos amigos e até familiares com essa característica.
O que podemos fazer diante dessa falta de emoções, de empatia e reciprocidade? Qual a melhor forma de agir?

A solidão emocional da pessoa vazia
Viver com uma pessoa vazia também conta como solidão
Alexandre Dumas dizia que seu pai costumava se queixar das pessoas vazias. Ele as definia como cântaros: “quanto mais vazios, mais barulho fazem”.
Com esta frase simbólica, percebemos que essas pessoas não passam despercebidas por nossas vidas e não nos deixam indiferentes.
Mas, por que as definimos assim, com esses vazios? O que há por trás desse tipo de comportamento?

1. Falta de reciprocidade emocional
Não vamos discutir aqui a existência da alma, que é a primeira coisa em que pensamos quando falamos desse vazio emocional.
Entendemos esse vazio como a “falta” de uma série de emoções básicas.
– Eles são incapazes de se projetar sobre os outros para compreender, ter empatia e entender as perspectivas pessoais dos que estão ao seu redor.
– Seu comportamento se baseia em um conjunto de regras inconscientes, nas quais a prioridade são eles mesmos. O essencial é suprir suas próprias necessidades.
– Dizemos que são regras inconscientes porque agem automaticamente, sem avaliar os resultados. Nesse tipo de personalidade não existe espaço para os erros. Errar é uma fraqueza que não podem aceitar.
– As pessoas vazias não ouvem e não desabafam com os outros. Se o fazem em algum momento, é para o seu próprio benefício.
2. A necessidade de apegar-se a alguém mais forte emocionalmente
As pessoas vazias são caracterizadas por algo muito básico: a ausência de felicidade.
Em seu mundo, buscam manipular as pessoas para preencher o seu vazio interior e suprir suas carências com as emoções alheias.
Nunca haverá em suas vidas generosidade, altruísmo ou alegria de viver, porque são desequilibradas. Elas oscilam entre os extremos: tudo ou nada, um amor imenso ou indiferença absoluta.
Essas pessoas têm uma personalidade incompleta e estabelecem relações imaturas. Não tente ser a pessoa que vai preencher esse vazio e carência; o preço pode ser alto demais.

Como enfrentar a vida com pessoas vazias?É possível que o primeiro pensamento seja o de “manter distância”, mas estamos falando de emoções, e geralmente de relacionamentos que estabelecemos com as pessoas que amamos.
Temos que refletir, avaliar e decidir se vale a pena continuar com esse relacionamento ou não.
No entanto, podemos dizer que todos nós somos um pouco complicados. Alguns aparam suas arestas, outros procuram preencher seus vazios.
Às vezes, um certo tipo de personalidade se encaixa perfeitamente com outra, mas não podemos esquecer que “as pessoas não mudam da noite para o dia, por mais que desejemos que isto aconteça”.
Com a convivência diária, com nosso equilíbrio emocional e integridade, podemos avaliar os nossos relacionamentos e perceber o que eles nos trazem de bom ou ruim.

Abaixo, alguns recursos que podemos utilizar no nosso dia a dia.
– Diante dos familiares: se você tem um pai, uma mãe ou irmãos, que agem de maneira fria e vazia, diminua a influência e a importância que eles exercem sobre você e sua vida. Não cometa o erro de agir como eles. Mostre-se sempre como realmente é, o que sente e o que deseja da vida.http://www.raizesjornalismocultural.com/
– Diante de um relacionamento amoroso: se o seu parceiro é uma pessoa vazia, explique como se sente e o que é capaz de aceitar ou não. Você não é uma pessoa vazia, tem emoções que precisam ser correspondidas, necessidades afetivas e deseja reciprocidade. Se esse relacionamento não lhe traz nada disso, pense bem antes de decidir qual será o seu próximo passo.
Não há solidão pior do que aquela que sentimos quando nos dão um afeto sem forma. Um mundo de vazios.
Texto original em espanhol de Valéria Sabater.
Publicação original: A mente é maravilhosa

quarta-feira, dezembro 16, 2015

A questão é...


As vezes é tudo uma questão de não fazer mais questão. Li esta frase em algum lugar e pensei; não fazer questão é dar pouca importância ou nenhuma, é virar as costas, é deixar prá lá. Já que no entender acadêmico de qualquer ser humano (eu disse no entender acadêmico, na prática há controvérsias), relacionamento é se importar, é fazer questão, se preocupar e outras coisinhas mais... e se isso não acontece queridinhos, caiam fora!! Se ele (ela) acha que não te dar muita importância é uma maneira de te conquistar, é um(a) babaca! Se está com você fingindo sentir o que não sente, é um(a) babaca! De qualquer forma, a questão é que de babacas  o mundo está cheio! 


Elzinha Coelho


terça-feira, dezembro 15, 2015

Ano Novo???? (Revendo)




Vem aí um novo ano e aí você pensa, agora vai ser diferente. Tem gente que passa uma vida todinha acreditando que a simples mudança de calendário tem o poder de mudar a trajetória, os ares, até o pesares. Talvez doce, mas certamente uma triste ilusão. Um dia disse nosso encantador Mario Quintana, "Bendito quem inventou o belo truque do calendário(...) dando a impressão de que a vida não continua, mas apenas recomeça..." , mas é só impressão. O recomeço pode se dar a qualquer hora, em qualquer lugar, mesmo não sentindo as bolhinhas geladas na ponta do nariz. O recomeço acontece de dentro para fora, do fundo, bem do fundo. Acontece lá onde é preciso coragem para ir. Lá onde acumulamos tralhas mal resolvidas; onde a desordem é gritante e se não fosse o bastante, ainda guardada está toda a parafernália apreendida no calabouço da vida, todas as promessas não cumpridas, todas as desditas, todas as feridas, todas as palavras (mal) ditas, faladas e ouvidas, todo o medo e toda culpa, as desculpas que não demos, as que não recebemos, todo o mau amor, todo o mal amar, todo o querer, todo o pesar. No fundo, bem no fundo deste mundo que nos habita, que nos corrompe, que nos conflita é que inicia o recomeço, o incessante  recomeçar. É lá que é preciso coragem de transformar e rever o que já estava escrito ou por escrever. Que o recomeço seja limpar, seja esquecer, aceitar, compreender, perdoar, perdoar-se. Que o recomeço seja amor, libertação, seja bondade, suavidade, doação!
Um feliz recomeço a todos nós, simples mortais, tão envolvidos com nossos ais, tão ferrenhos, tão fatais!!

Elzinha Coelho