MEUS INCENTIVADORES- GOSTARAM E FICARAM!!

domingo, julho 27, 2014

ATÉ BREVE!!!


MEUS AMIGOS, ESTAREI FORA DO BLOG POR UM TEMPO, NOVOS ESTUDOS E NOVAS OPORTUNIDADES ME AGUARDAM. VOLTAREI EM BREVE. BEIJOS À TODOS.
(e para não perder o costume, vai aí uma frase....)

A mentira é tão egoísta que só serve ao mentiroso, não serve a mais ninguém!

Elzinha Coelho                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                          


quarta-feira, julho 23, 2014

Não! Sim?


Eu não quero viver de recordações, de saudades nem nada parecido. Não quero ir a um lugar e ter que me recordar de algum momento que vivi ali. Não quero ter alguém guardado no fundo do baú das minhas lembranças prá vez em quando tirá-lo de lá. Nem sentir falta do toque ou do cheiro de alguém, nem do jeito de me sorrir. Não vou querer olhar para trás e sentir que poderia ter sido diferente. Não posso mentir prá minha mente e dizer o que o meu coração não sente. Mas é o que eu faço... descaradamente!


Elzinha Coelho

Poemografia

http://fotomorfoses.blogspot.com/


domingo, julho 20, 2014

sexta-feira, julho 18, 2014

Pedro Chagas Freitas


"Os poemas não se escrevem: vivem-se.
Há um poema a cada boca que se beija. Há um instante de génio a cada instante em que um humano é feliz. E todos os instantes são geniais – porque todos os instantes são felizes. Todos os instantes são felicizáveis: passíveis de serem transformados em felicidade. Todos os instantes – é por isso que a medição de instante existe (é por isso, até, que a própria denominação de instante existe) – são para ser felizes. A felicidade é um instante, sim. Todo o instante. A todo o instante há um motivo para a felicidade. Até porque a única felicidade é a que não tem motivo.



quinta-feira, julho 17, 2014

Sexo com Alma



"O sexo fornece a atração romântica ao nível da personalidade, mas a alma também usa essa energia, tão poderosa e divina, para nos atrair e identificar com determinada pessoa quando temos um trabalho da alma e da personalidade a fazer. Isso porque o trabalho da nossa vida e as lições que nos esperam são tão difíceis, tão exigentes e tão provocadoras que, se não fosse a atração magnética da energia sexual, poderíamos nunca encetar qualquer relação.


Quando nos encontramos numa relação, contudo, o sexo não é apenas uma forma de atração. Torna-se um vocabulário dentro da relação. Podemos optar por experienciá-lo como luxúria, controle e uma batalha pelo poder ou podemos vê-lo como amor, rendição ou até um mergulho no campo da consciência unificada. Seja como for que optemos por o interpretar, pode sempre ser uma porta para uma dimensão mais profunda do eu. Podemos sentir mais, abrir mais, ligar-nos mais e unir-nos!!! 
Ao perdermos o controle e rendermo-nos, as nossas personalidades diluem-se por um momento e podemos capturar o sabor da união da alma. No encontro sexual, como em nenhum outro, apercebemo-nos de que não estamos sós."




Daphne Rose Kingma.

sábado, julho 05, 2014

Sem Medo (Relendo)


No abandono dos meus apegos
Nas horas mornas do sossego
Encontro enfim o fim do medo


E nas pausas mansas do dia
Em que me entrego sem agonia
À construção de um pensamento


Encontro sempre e por inteiro
A real essência, e o que espero
Do que fui, sou e quero...

Mesmo que o que creio, assim
Seja verdade só para mim
Pouco importa o que pensam
Sou eu, é verdadeiro e fim!

Elzinha Coelho 

sexta-feira, julho 04, 2014

Sentimento


Habita em mim, pelo bem ou pelo mal
Este vendaval que me ocupa a alma
Não me sossega, não me acalma
Não cessa e não me detêm

 O vento sabe o que vai por dentro
 Engole o corpo e o pensamento
 Como a dispor a bel prazer
 Do meu destino, meu desalento

Vento que invade, que faz morada
Na noite insone, na pele fria
Invadindo, transpondo espaços
Por minhas tensas galerias

E sigo tentando estar
Em algum momento, em qualquer lugar
Ser o que sou e poder falar
Mas o vento me cala, me faz calar!


Elzinha Coelho