MEUS INCENTIVADORES- GOSTARAM E FICARAM!!

quinta-feira, outubro 25, 2012

Nas páginas breves dos dias

Nas esperas e nos doces encontros
Nas perdas e frios abandonos
Em cada fiel autoria
Compomos uma história de vida

E fora de nós mora o longe

Com suas estacas batidas
Estrelas contemplam o assombro
Testemunhas das duras partidas

Viver é quase uma pesar
Não fosse o toque  do amor
Fisgando a alma inocente
Carente num mundo sem cor

E o abraço traz a magia
Do encontro dos corpos ardentes
Busca de almas amantes
Do breve frescor da alegria

Elzinha Coelho

terça-feira, outubro 23, 2012

Espera...???

Meu amor mora longe

Num outro planeta, quem sabe?

Ou já não enxerga

Talvez nem caminhe

Sei que não me encontra

Nem me dá uma pista

Meu amor mora longe?

Quem pode saber?

Talvez nem exista!


Elzinha Coelho

quinta-feira, outubro 18, 2012

Você nunca irá saber!


Teus atos falam, como falam os teus gestos
Teus nãos abalam qualquer resquício de vontade
E exausta busco o que não está escrito
Como a querer transpor o avesso da verdade
Para não deixar que ouça em mim, meu próprio grito!


Elzinha Coelho






segunda-feira, outubro 15, 2012

Cotidiano


A gente se acostuma
com a falta do dinheiro
com o relógio e seu ponteiro
com feijão sem tempero
com metades ou inteiros

A gente se acostuma
sem flores na janela
chuva sem telhado
gesto sem cuidado
perdas e esperas

A gente se acostuma
com a dor que dá no calo
com desmandos ou regalos
com o tempo que é fato
com o real ou o abstrato

A gente se acostuma
com a falta de carinho
com pássaro sem ninho
com a vida em desalinho
com o silêncio ou o burburinho

A gente se acostuma
E se esmera neste ato
Sem pressentir que lentamente
Deixamos de ser vida
E nos tornamos um retrato


Elzinha Coelho

sábado, outubro 13, 2012

Ser e basta!



Não sei se sou o Poeta ou apenas o Caminho

Talvez eu seja a Estrada

Talvez somente a Estrada...


Elzinha Coelho

Arbítrio

As vertentes ilusórias

De uma vida, de uma história

Sãos luzentes atrações

Estrelas contraditórias

Num universo de escolhas

De procuras compulsórias

Acertos e desalinhos

Compõem derrota e glória...



Elzinha Coelho

sexta-feira, outubro 12, 2012

Fatalidade

Talvez a minha insanidade
esteja justamente aqui
nesta minha maneira de agir...

Não me diga o que fazer
Não quero saber, não vou ouvir!!

Ah! Destino
Este menino  truculento
Que contradiz os desatinos
Revolve o vento dos sentidos
Os desalinhos, nossas verdades
Nos conduzindo fracos e sós
à revelia da própria vontade...

Elzinha Coelho

segunda-feira, outubro 08, 2012

Engano


Minhas mãos livres como um pássaro
Coração desarmado
Pés descalços
Braços abertos pro abraço

Despi a roupa da decência
Mostrei minhas virgulas e reticências
E transparente feito um cristal
Deixei-te ver a minha essência

Tal atitude assim tão crua
Não percebi que não cabia
Mostrar-me inteira, limpa e nua
A quem zombava e de mim ria


Elzinha Coelho

quarta-feira, outubro 03, 2012

Meu jeito de ir



Neste mundo profundo onde me encontro e brinco de dizer coisas,  é onde me escondo. Trafego o caos sem me importar com ele. Mergulho em espinhos sem me arranhar. Piso  brasas e saio ilesa. Inalo  loucuras sem me tornar insana. Toco mistérios mas não me impregno deles. O segredo está em brincar de dizer coisas... E assim atravesso os dias...

Elzinha Coelho