MEUS INCENTIVADORES- GOSTARAM E FICARAM!!

sábado, julho 28, 2012

Sina de Poeta


Tem vezes que a gente tenta
Calar a dor, a gente tenta
Matar a flor, a gente tenta
Trancar o amor,  a gente tenta
A gente tenta... e tenta
Então tudo excede, transborda e aí...
A gente inventa!

Quando não se cabe
Quando não se aguenta...
A fria tinta toma forma
Transcende em versos e transforma 
O invisível, o divisível, o ausente
Em coração, mão e mente...

Elzinha Coelho

quarta-feira, julho 25, 2012

Minha Poesia



É quando menos espero
que me falam os verbos...
Me pegando de surpresa
Virando minha cabeça
Confundindo meus caminhos
Remexendo meus guardados
Fazendo burburinhos
Entre meus meios, meus perdidos
Meus segredos, meus achados
É quando menos espero
Que minha alma se transporta...
E tráz de volta o escondido
O supostamente esquecido
Os sentimentos desmedidos
Os pensamentos tresloucados
O argumentos descabidos
É quando menos espero
Que tudo toma forma...
E vira palavra, vira verso
E transforma sutilmente
Este meu mundo tão pequeno
Num imenso universo!


Elzinha Coelho

segunda-feira, julho 23, 2012

Reencontro



Essa ausência tão sentida
Essa saudade desmedida
Eu procuro a paz 
E só encontro alento
Na memória, no pensamento


Então me visto de vontade
Me encho de claridade
Paro a mente naquele ponto
E no finito dos dias meus
Reencontro o infinito nos beijos teus...


Elzinha Coelho




quinta-feira, julho 19, 2012

Medo de Amar


Pensamentos antes intransitáveis
Vagam agora displicentes
Mansamente tomam conta
Do coração
Do corpo
Da mente


E sem cuidados ou pudores
Bem faceiros se instalam
E as palavras ainda não ditas
Se revelam...
Se declaram...


No pulsar do tempo
No ardor do canto
No calor do vento
No brindar dos santos
No sereno sabor do encanto
Na doce ilusão de um momento
Em que dois se tornam tantos
Entrelaçados num só sentimento...


Elzinha Coelho

segunda-feira, julho 16, 2012

Meus passos

Neste Universo das Palavras caminho...
Passos lentos, incertos, inseguros...
Mas não paro...
Pretensão? 
Nenhuma!
A não ser expressar o que me vai por dentro...
O que me assola a alma
O que me alegra e acalma
O que me retem, o que me abala
O que me revolta, o que me cala
O que me arrepia, o que me entedia
É a minha essência...

É minha história...
Minha poesia...

Elzinha Coelho

quarta-feira, julho 11, 2012

Amor mal resolvido...


Parou!... No início do soluço
No meio do beijo
No final do pulso
Mãos que não mais se tocam...


Palavras ficaram presas
Não ousadas, não ditas...
Gemido guardado!
Guardado o apelo!


Não há mais espelho
Não há alegria
Nem tem fantasia
Somente agonia...


Do que poderia ter sido
Antes que o espelho caísse
Antes que a noite chegasse
Mas já era tarde... Já anoitecia...


Elzinha Coelho

terça-feira, julho 10, 2012

Dor e Saudade


Que sentimentos são esses
Que se instalam sem pedir licença?
Que se ajeitam, se encaixam
Que não dá para jogar fora
Que ficam, que são
Sem nenhuma pressa de irem embora?
Que machucam sem piedade
Invadem o peito, invadem a alma
Criam laços, tropeços, embaraços?
Que sentimentos são esses
Que controle não existe?
Que nos faz pequenos, nos faz tristes
Náufragos de nós mesmos...
Neste mar de ironias, de ilusões, de fantasias...
Andam sempre de mãos dadas
Mãos entrelaçadas...
Abraçando nossa agonia!


Elzinha Coelho

sábado, julho 07, 2012

Só hoje...talvez...


Hoje o que me sufoca é este vazio com gosto de nada
É este silêncio que não me deixa dormir
Essa ausência de não sei o que
Agonia crescente que teima em ficar
Vontade de ir não sei bem prá onde...


Talvez a um lugar
Onde a alegria se esconde


Elzinha Coelho

sexta-feira, julho 06, 2012

Mulher

É difícil mentir prá mente
Fazer de conta que nada sente
Triste quando se está contente
E fria quando se está ardente


É mais fácil entregar-se inteira
Despir o corpo, a alma, o zelo
Transpondo linhas, atendendo apelos
Da boca, da pele, do pelo 


Correndo o risco de parecer brisa
Um bom capricho, desejo banal
Se crê que é suave vento
Quando na verdade é vendaval


Bem melhor mentir prá mente
E esconder o que deveras sente
Os segredos são fascinantes
Para quem não consegue entender a gente...


Elzinha Coelho

quarta-feira, julho 04, 2012

Independência Feminina

Dias atrás estava lendo uma crônica de Martha Medeiros em seu livro "Feliz por nada" onde ela descreve uma cena em que, estando autografando um livro, uma senhora se dirigiu a ela dizendo que a achava uma mulher fenomenal, e que complementou: "Mas eu não queria ser casada contigo - Tu é muito independente!". Então me lembrei de uma crônica que escrevi aqui no blog mesmo, no ano passado, falando justamente sobre essa independência feminina. Martha se questionou sobre a imagem que a sociedade tem desta mulher independente e eu fui por um outro viés, a imagem do homem moderno e a visão dele sobre essa tal  "Mulher Independente". A tal triagem de Marina Colasanti, citada na crônica, é no mínimo excelente, mas acaba por não sobrar nada...
Vai aí ...
Muitos homens contemporâneos (somente porque vivem na contemporaneidade, de contemporâneos não tem nada) ainda veem na mulher um objeto; entendem sensibilidade como fraqueza; precauções como esperteza; autenticidade como "ser fácil"; vaidade como ser fútil e por aí vai, poderia ficar aqui horas descrevendo o quanto ainda são preconceituosos, conservadores e vazios. Ficam pulando de colo em colo, em relacionamentos evasivos e continuam sozinhos e nós mulheres no contraponto, estamos cada vez mais seguras, independentes, belas, cultas e....sozinhas. O que tenho observado é que os homens amedrontados, se tornaram mais irônicos, superficiais por conta do velho ranço machista, que embora digam que não, é gritante em suas atitudes. Essa Nova Mulher conquistou o seu espaço mas e agora? Estamos fazendo parte de grandes mudanças comportamentais e somos nós a pagar o pato, é isso, pagando pato é o que estamos fazendo, daqui há alguns anos o cenário será outro. O homem ainda anda inseguro com tantas transformações mas vai chegar o dia que irão se adaptar aos novos conceitos de relacionamento. Mas e o agora? O homem está te esnobando, brincando, se achando? é MEDO e você rapidinho faz valer, manda se danar, "sou muito prá você!" E é mesmo!! Homens acordem, nós evoluímos mas não perdemos nossa ética. Queremos homens éticos também, independentes e seguros e que saibam ser cúmplice, amigo. Não somos adversários, não somos inimigos. Respeito mútuo, só isso!

Elzinha Coelho


domingo, julho 01, 2012

Simples assim...


Todo o simples, muitas vezes é o que basta
É o que basta muitas vezes ser contente
Vestindo-se com palavras generosas
Despindo-se do que disso é diferente


Pode ser nas muitas vidas já vividas
Se encontre o combustível que arrebata
Toda dor um dia já sentida
Toda lágrima um dia já chorada


Nos tantos carinhos divididos
Nas estradas e caminhos percorridos
Se possa recolher o que há de bom
E possa todo o mal ser esquecido


No simples, simplesmente possa ver
Que tudo oque se quer é o que se tem
Poder sentir o ar por sobre a pele
E repartir este sentido com alguém


Não dá para complicar as tantas lidas
Que a vida nos impõe a toda hora
Porque não por prá dentro o que é simples
E tudo o que não for... fica de fora...


Elzinha Coelho


(Um poema para a amiga e incentivadora Claudia Dorta Duella)